Imagine Conceptuale (2003)

img_exposicao_11

“Que percepção terá da fotografia uma pessoa que não vê, ou que vê muito pouco?

O fotógrafo Luís Rocha decidiu interpelar sobre o assunto a Associação Promotora de Emprego para Deficientes Visuais (APEDV), e o resultado foram dois cursos para pessoas com deficiências visuais extremas, que tiveram início na Oficina de Fotografia da Câmara Municipal de Lisboa entre Maio e Julho de 2003.

O entusiasmo de poder “aumentar o real” até um ponto em que se torna perceptível – mesmo para um amblíope em alto grau – aliou-se ao aliciante “conceptual” de produzir um objecto artístico cuja comunicação com o público se desse exactamente através do sentido que o seu autor menos domina – a visão. O resultado foi um empenho fortíssimo, uma atenção desmesurada e um quotidiano cheio de novas descobertas: podemos fotografar o que ouvimos, o que sentimos, até o que imaginamos (a partir das descrições que nos fazem do real)! Podemos produzir imagens que, ainda que não tenham nascido de uma conceptualização puramente visual, são visualmente significantes para quem as olha, e transmitem através do olhar aquilo que pode ser a sua ausência.”

img_exposicao_01img_exposicao_01_relevo

L1050163

L1050181


 

Anúncios

Movimento de Expressão Fotográfica